some text
some text

Sofrimentos em questão

Isolamento social obrigatório, insegurança sobre o futuro próximo, escalada de mortes inédita. Todas essas contingências nos afetaram e ainda nos rondam graças à pandemia de covid-19. Talvez a vida social já tendesse a nos colocar em estado de alerta permanente, a experiência de solidão apenas fosse mitigada pela ilusão da multidão de amigos virtuais, talvez as fobias já estivessem instaladas, talvez a incerteza sobre o porvir já fosse a regra. É possível que a pandemia tenha tido o efeito de uma pausa que nos fez olhar de perto para essas questões que já eram nossas há tempos.

O fato é que, desde então, o verbo sofrer passou a ser conjugado ainda mais ordinariamente em todos os circuitos sociais. A expressão do “sofrimento“, generalizada dessa maneira, pode ser tomada por um mal-estar contemporâneo, sintoma do adoecimento coletivo. Pode também ser pensada como uma reação ao desígnio fartamente incutido na cultura atual de um estado de felicidade compulsório, permanente, seguro e alcançável pelo consumo – de produtos, diagnósticos, fármacos, rótulos, identidades “prêt a porter”, relações, drogas. Quando a tal felicidade não corresponde ao prometido, sofremos com a frustração, assim como com todas as adversidades mais comezinhas. Não é nada fácil.

Contaram-nos, algum dia, uma bela fábula de que viver não implica esforço e coragem para enfrentar contradições, contrariedades, desilusões, fracassos...

Vamos refletir sobre esse fenômeno?

Convidamos Bel Kahn, psicanalista e professora do curso de Psicologia da PUC-SP, para contribuir com sua experiência clínica e bagagem conceitual para nosso esforço de intelecção desse traço presente na vida social contemporânea.

Trata-se de ensaiar uma decupagem do que é expresso sob o nome de sofrimento. Acreditamos ser do interesse de nossa comunidade esse exercício meditativo. Ele acontecerá no dia 27 de agosto, sábado, às 10h. Presencialmente teremos como receber número restrito de pessoas, o que exige inscrição prévia. Mas o encontro será também transmitido simultaneamente pelo canal do CSD no YouTube.